Dezembro: O futuro dos mais jovens

Rezemos para que todos os países decidam tomar medidas resolutas, medidas necessárias para fazer que o futuro das crianças seja uma prioridade, especialmente o futuro das crianças que hoje estão sofrendo.

Papa Francisco – Dezembro 2019

Cada criança marginalizada, cada criança abusada, cada criança abandonada, cada criança sem escola, sem atendimento médico, é um grito que se eleva a Deus.
Em cada uma delas é Cristo, que veio ao nosso mundo como uma criança indefesa, é Cristo que nos olha em cada uma dessas crianças.
Rezemos para que todos os países decidam tomar as medidas necessárias para fazer com que o futuro das crianças seja uma prioridade, especialmente o futuro das crianças que hoje estão sofrendo.

COMUNICADO DE IMPRENSA

Cada criança que sofre é um grito que se eleva a Deus

Em “O Vídeo do Papa” de dezembro, o Santo Padre se ocupa dos mais jovens, das crianças, para que em todos os países do mundo tomem-se medidas que façam de seu futuro uma prioridade.

(Cidade do Vaticano, 5 de dezembro) – No mês de dezembro, “O Vídeo do Papa” trata dos meninos e meninas que têm hoje um futuro incerto, sobretudo os que estão sofrendo por diversas causas. Francisco insiste em que “cada criança marginalizada, cada criança abusada, cada criança abandonada, cada criança sem escola, sem cuidados médicos, é um grito que se eleva a Deus”.

O pedido do Papa chama a atenção para os dramas da infância, que exigem medidas sérias. Segundo os Informes sobre o Estado Mundial da Infância de 2016 e de 2017, os meninos e meninas formam quase a metade dos 900 milhões de pessoas que sobrevivem com menos de dois dólares por dia. Além disso, em 2014, comprovou-se que cerca de 160 milhões de todos eles apresentavam atraso no crescimento. Quanto à escolarização, apesar dos avanços nas matrículas, existem cerca de 124 milhões de meninos e meninas que não vão à escola, um fator que se vê agravado pelos conflitos armados que, em muitos lugares, são cada vez mais prolongados. Lamentavelmente, cerca de 250 milhões de jovens vivem em países ou áreas afetadas pelos conflitos armados. Essas condições sociais, econômicas e bélicas dificultam seu desenvolvimento normal e a busca de um futuro melhor.

O P. Frédéric Fornos, SJ, Diretor Internacional da Rede Mundial de Oração do Papa (que inclui o Movimento Eucarístico Jovem), sublinha que o convite do Santo Padre a rezar para que “todos os países decidam tomar as medidas necessárias para que o futuro das crianças seja uma prioridade” não nos livra de trabalhar para essa finalidade em nossa vida cotidiana, cada um dentro de suas possibilidades, e naquilo que poderia nos parecer mais simples. Ele recorda as palavras do Papa Francisco às famílias: “Você perde tempo com seus filhos? Você brinca com seus filhos? – Mas não, o senhor sabe, quando eu saio de casa pela manhã – me diz o homem – eles ainda estão dormindo e quando volto eles estão na cama. Também a gratuidade, aquela gratuidade da mãe e do pai com seus filhos, é tão importante: “perder tempo” com os filhos, brincar com seus filhos. (…) Sempre que uma criança é abandonada… não se faz apenas um ato de injustiça, mas também se configura o fracasso dessa sociedade”.

Rezemos, pois, e atuemos “para que todos os países tomem as medidas necessárias para fazer com que seja uma prioridade o futuro das crianças, sobretudo daquelas que sofrem”. Pois, como Francisco também recordou em outra ocasião, elas “são o presente”.

Credits

Pope’s Worldwide Prayer Network

Campaign title:

The Pope Video – December 2019: The future of the very young.

Idea and project coordination:

La Machi

Creative agency:

La Machi

Pope Francis shooting:

Vatican Media

Production house:

Adhoc

Sound mixing & music:

Índigo Music Design

Benefactors

Benefactors:

Índigo Music Design

In collaboration with:

Vatican Media

Media partners:

Aleteia

Thanks to:

Doppler Email Marketing

With the Society of Jesus

Crianças, Direitos, Educação, Brincadeira, Infância, Infantil, Proteção, Menores, Futuro, Estudo, Compreensão, Acompanhamento

adminDezembro: O futuro dos mais jovens